O Vinho Campeão em Custo-Benefício do Brasil: Larentis Vigna D’Oro Merlot 2012

Larentis_Vigna_Doro_Merlot_2012

Estimados amigos

Acredito que este post tenha um caráter bastante especial. Não são raras as vezes que recebo pedidos de pessoas, amigos e leitores do blog solicitando uma indicação de um vinho “bom e barato”. Sinto que o consumidor em geral carece de indicações neste sentido. Muitas vezes as pessoas vão às lojas e supermercados, compram vinhos na faixa dos 10 a 20 reais, provam – e até aprovam – mas não ficam plenamente satisfeitas.

Pois bem, mas hoje, de fato, temos uma boa notícia para estes enófilos desamparados – pelo menos para aqueles que não têm nenhum preconceito descabido quanto aos vinhos brasileiros. Já havíamos provado a algum tempo atrás (relembre) este Merlot Bag in Box da Vinícola Larentis, da safra 2010. Com a proximidade do inverno resolvi dar um pulinho à serra gaúcha e passei pela vinícola – lindíssima por sinal, com um dos parreirais mais belos do Vale dos Vinhedos. Lá encontrei ainda à venda, felizmente, este Merlot em embalagem Bag, elaborado com uvas da excelente safra de 2012. Vamos ao líquido:

Em taça mostrou bela coloração vermelha rubi, escura, deixando lágrimas finas e transparentes. No nariz apresenta aromas de intensidade leve a moderada, com notas frutadas predominantes – especialmente frutas negras frescas – além de certo toque herbáceo discreto. Em boca tem corpo médio e boa acidez, equilibrada. Taninos finos, bem integrados, deixando o vinho fácil de beber. Notas frutadas e uma certa lembrança vegetal confirmam o olfato no paladar. Final é correto, levemente potente – álcool a 12% – sem amargor ou defeitos que comprometam.

Trata-se de um exemplar formidável para o consumo do dia a dia, daquela taça que acompanhar jantar ou até mesmo daquele copo de vinho que usamos para compor um belo molho de uma massa, e por aí vai. Pelo valor que custa (veja parágrafo abaixo) possui qualidade e tipicidades muito acima da média se comparado a outros vinhos de preço equivalente. É um vinho que me cativa e que me conquistou desde a primeira vez que provei – e não só a mim: vários outros enófilos e blogueiros também o aprovaram, com todo o mérito.

Quanto custa? Aí vem a melhor parte: pelo Bag-in-Box de 4 litros pagamos exatos R$ 39,50 na própria Larentis. Ou seja, uma garrafa de 750 ml deste vinho equivaleria a menos de R$ 7,50 – nestes moldes, pelo menos aqui, neste modesto blog, este vinho conquista com louvor o título de rótulo com o melhor custo-benefício que dispomos no mercado brasileiro. Uma excelente opção.

Saúde a todos!

Leia Também:

Larentis Vigna D’Oro Merlot 2010

Conheça o Winelands – Um Clube de Vinhos Diferenciado

1

Estimados amigos.

Foram muitas as vezes que recebi mensagens e pedidos de leitores do blog pedindo mais informações e indicações sobre bons Clubes de Vinhos. Escrevi recentemente um post sobre o tema, onde citei como exemplo de um clube que me chamava atenção o Winelands – Clube do Vinho, especialmente pela proposta atrativa que oferece aos associados. Pelo que tenho pesquisado nos blogs e sites dos amigos enófilos, minha impressão é correta e de fato o clube tem agradado os consumidores associados. Resolvi então pesquisar um pouco mais sobre a proposta do clube. Entrei em contato com o pessoal responsável e fui prontamente atendido pelo Sommelier Fernando Zamboni, um dos responsáveis pelo empreendimento, que me passou as informações. Confesso que fiquei empolgado com a proposta do clube – tanto que resolvi compartilhá-la aqui com os amigos leitores.

O site do Winelands é muito bonito visualmente e é bem claro e explicativo. De cara, já se percebe na proposta do clube uma das suas grandes vantagens oferecidas: o membro associado pode escolher o tipo de vinho a receber em casa, entre tintos, branco, rosé e espumante. Além desta possibilidade, o cliente pode também selecionar os próprios rótulos que deseja, criando a sua própria caixa a ser recebida, no próprio site mesmo, como e sempre que desejar.

Sem dúvida é uma ideia inovadora, que deixa o clube versátil e dá opção ao consumidor – muitas pessoas, por exemplo, gostam de beber vinhos tintos o ano todo, enquanto outras preferem rótulos mais refrescantes nas épocas mais quentes. Inclusive, o Winelands é talvez atualmente o único Clube de Vinhos do Brasil a oferecer espumantes, contando muitas vezes com exemplares elaborados pelo método tradicional disponíveis para os associados.

Outro ponto que chama a atenção de qualquer enófilo,  sem dúvida, é a procedência dos vinhos que são disponibilizados nas seleções. A seleção do mês de maio, por exemplo, contou com uma amostra de vinhos Croatas, muito difíceis de serem encontrados aqui no Brasil, ainda mais por preços acessíveis. O clube também já contou com seleções de vinhos eslovenos, búlgaros, romenos, entre outros – o que é raro, ou quase impossível de se verificar em outros clubes.

Os vinhos Croatas da seleção de Maio, para todos os gostos: tinto, branco rosé e até espumante.

Os vinhos Croatas da seleção de Maio, para todos os gostos: tinto, branco, rosé e até espumante.

Segundo informações de  Zamboni, cerca de 90% dos vinhos disponibilizados no clube são de importação própria da Winelands, o que confere ao clube uma boa dose de exclusividade – afinal, é o que todo o enófilo quer e deseja ao se associar em um clube de vinhos: variedade de rótulos, ou seja, provar algo diferente. Além da seleção mensal do clube, desde março deste ano, os associados contam com a possibilidade de adquirir, se assim desejarem,  um rótulo “top” selecionado, de qualidade superior, pagando pelo mesmo um valor em média 40% menor que o preço de venda normal.

Zamboni também revela, por fim, mais uma novidade: a partir de julho a Winelands deverá lançar um sistema de e-commerce de vinhos que promete ser  cheio de novidades e vantagens para os consumidores. Vamos aguardar ansiosos.

Saúde a todos!

Bouza Merlot 2012 #cbe

Bouza_Merlot_2012

Estimados amigos.

Escrevo este post especialmente em alusão ao tema de março da CBE – a Confraria Brasileira de Enoblogs – proposto pelo amigo Victor Beltrami, que escreve um dos melhores blogs de vinho do Brasil, o Balaio do Victor. O tema é daqueles que empolga todo mundo de cara e deixa todos com um sorriso no rosto de orelha a orelha: “um vinho varietal tinto ou branco do Uruguai qualquer, menos Tannat.” Falou vinho, falou Uruguai, pronto, estou sorrindo :)

Quem pensa que o Uruguai só tem Tannat, está enganado totalmente. Uma rápida pesquisa até mesmo aqui em meu modesto blog – confira aqui – mostra que nosso querido vizinho elabora ótimos Tempranillo, Merlot, Pinot Noir e Alvarinhos, isso até onde meu conhecimento alcança. Opções é o que não faltam. Fui de Bouza, certamente um dos melhores produtores Uruguaios; típica escolha certeira (e foi). Passagem de oito meses por barricas de carvalho francês e pouco mais de 18 mil garrafas elaboradas, todas numeradas (esqueci de anotar o número da minha, fico devendo).  Vamos ao líquido!

Vinho de cor vermelho rubi, com bordas avermelhadas. Aromas intensos e perfumados, adocicados no começo – lembrando certa baunilha – mas se abrindo aos poucos revelando frutos vermelhos, geleia, especiarias (como cravo) e leves notas herbáceas. Bom conjunto olfativo. Em boca tem boa acidez e estrutura, com corpo mais para médio. Os taninos estão lá, rústicos, bem presentes e integrados, marcando toda a boca e secando o paladar. As notas frutadas confirmam o olfato. Álcool a 14 %, conferindo ao final certa potência, pedindo comida e chamando a próxima taça. Madeira discreta, sem se sobrepor em nenhum momento. Muito bem feito, sem defeitos.

Vinho de verdade, “sem açúcar” como gosto de dizer (gíria de enófilos…). Para se beber com gosto. Aprovadíssimo

Quanto custa? No Brasil é comercializado pela Importadora Decanter, que está vendendo a safra 2011 em seu site por 97 reais. Paguei 11 dólares em um free shop em Jaguarão, na fronteira com o Uruguai.

Saúde a todos!