Novidade no Mercado: Salton Classic Malbec 2015

Salton_Classic_Malbec_2015

Grandes amigos, é sempre uma alegria poder trazer boas novidades do mundo do vinho aqui no blog. Esta semana tivemos a felicidade de poder participar do Winebar com os vinhos da Salton, onde a vinícola apresentou alguns de seus rótulos – entre eles este Malbec, lançado a pouco tempo no mercado e que eu estava curiosíssimo para experimentar.

Como ostenta o rótulo, o vinho é elaborado em nosso país vizinho na região de Mendoza, em uma parceria com a empresa Peñaflor, uma das referências do mercado vitivinícola argentino – responsável pelo tradicional vinho Trapiche, entre outros. Continuar Lendo

Tierra Imperial Gran Reserva Tempranillo 2008

Tierra_Imperial_Gran_Reserva_Tempranillo_2008

Amigos, alguns talvez diriam que se trata de sorte, mas devo lhes dizer: até hoje, que bem me lembre, nunca me desapontei com nenhum vinho elaborado com a tradicional casta espanhola Tempranillo – também chamada de Aragonez em terras lusitanas. E eis que com este histórico positivo acabei me tornando um fã confesso desta variedade, a qual considero muito interessante – e que recomendo fortemente a prova para aqueles que ainda não a experimentaram.

Pois o Tempranillo de hoje é muito especial: um Gran Reserva Espanhol de mão cheia, escolhido a dedo em uma das seleções do Clube Winelands que assino. Com expectativa escolhi e não me arrependi de trazer à minha adega este exemplar, elaborado na região de Toledo pela Bodega Verduguez. O exemplar estagiou nada menos que 24 meses em barricas de carvalho, além de outros 36 meses em repouso nas caves. Continuar Lendo

Um Vinhaço do Tejo: Quinta do Alqueve 2 Worlds Reserva 2008

Quinta_do_Alqueve_2_Worlds Reserva_2008

Diria eu, estimados amigos, que os vinhos portugueses além de estarem perfeitamente enquadrados entre os melhores do mundo estão também muito bem posicionados quando o assunto é custo-benefício – diga-se de passagem, talvez o ponto X fundamental dos dias de hoje, tendo em vista que a questão financeira não está fácil para a grande maioria de nós brasileiros. Nosso querido companheiro inseparável, o vinho, que já era caro vem se tornando um investimento cada vez mais oneroso e daí a busca por um exemplar de boa qualidade com custo atrativo se torna uma missão e tanto.

E é neste ponto que eu acredito que os vinhos lusitanos merecem um grande destaque na adega de qualquer enófilo. Este exemplar que comento hoje foi adquirido a alguns meses atrás em uma promoção no site da Wine. É elaborado pela vinícola Pinhal da Torre na região do Tejo, sendo vinificado através de um assemblage de quatro variedades: Touriga Nacional, Touriga Franca, Cabernet Sauvignon e Merlot – típico corte português, onde costumeiramente são combinadas três ou mais variedades na elaboração de seus vinhos. Continuar Lendo

Para Apreciar no Inverno: Larentis Reserva Tannat 2012 #cbe

Larentis_reserva_tannat_2012

Amigos, já fazia alguns meses que eu devia um post para a nossa querida Confraria Brasileira de Enoblogs, a primeira e talvez única confraria virtual de vinhos do Brasil. Coube ao amigo Luiz Cola que escreve o ótimo site Vinhos e Mais Vinhos, a escolha do tema, que particularmente adorei: “um tinto ‘encorpado’ de inverno com preço até R$100”. Fantástica escolha :)

Em um primeiro momento amigos pensei diretamente em um Tannat, casta que aprecio demais e que, creio eu, cumpriria bem os requisitos da missão. Pensei evidentemente em um Tannat uruguaio, mas me dei conta de uma lástima: está difícil achar um Tannat ‘dos bons’ por menos de cem contos. Mas nada de pânico: foi aí que me recordei deste belo exemplar que estava lá em minha adega, esperando este inverno para ser apreciado.

Não escondo minha profunda admiração pelo competente trabalho da vinícola Larentis, que aprendi a admirar já a vários anos – desde o primeiro ano que escrevo este blog sempre tive algum contato com seus vinhos, que particularmente gosto muito (especialmente seu lendário bag in box, o campeão em custo-benefício do Brasil – relembre).

Este Tannat foi elaborado com uvas da excelente safra de 2012, cultivadas peça própria Larentis. Recebeu fermentação malolática em barricas de carvalho e repousou nas mesmas ainda por uns cinco meses, além de outros tantos em descanso nas garrafas antes de ser posto à venda. Continuar Lendo