Sonnen Mulde Zweigelt 2009

Amigos, este foi o outro vinho austríaco apresentado pela importadora The Special Wineries no último Winebar (relembre). Um dos últimos tintos que degustei nesta reta final de 2011 – possivelmente o último tinto que publico este ano, afinal agora é a vez dos espumantes!

Trata-se de um tinto elaborado a partir da uva Zweigelt, outra variedade típica do país. Não passa por barricas e possui 12,5% de álcool. Vamos ao líquido:

Em taça apresentou coloração avermelhada com tons violáceos; lágrimas transparentes e discretas. Achei os aromas um pouco tímidos (talvez pela baixa temperatura). Aparecem frutas vermelhas maduras, muitas notas minerais e algumas herbáceas. Em boca a fruta é mais evidente, é um pouco apimentado, com notas de especiarias. Final seco e potente. Retrogosto com lembrança da fruta e leve adocicado. Bebemos parte do vinho dois dias depois e ainda estava bem estruturado e mantendo as características.

Fugindo a opinião da maioria, eu e minha esposa gostamos mais deste tinto que do branco (relembre). É um vinho diferente, com fruta bem perceptível em boca e boa complexidade de sabores, difícil de comparar com alguma casta já conhecida. É adquirido junto à importadora, sob encomenda, por 88 reais. Saúde!

Nota: 4,0 (Muito Bom)

Fred Loimer Grüner Veltliner Lois 2009

Grandes amigos, a correria tem sido grande nesta época de final de ano. Daí então acabo postando aqui no blog menos que eu gostaria. Mas evidentemente que eu não poderia deixar de falar nos vinhos da Áustria que degustamos na última edição do Winebar (relembre) que por sinal, foi de altíssimo nível.

Este foi o primeiro vinho degustado na ocasião. Um exemplar branco da casta Grüner Veltliner – sim, os nomes para nós não são conhecidos. Trata-se da uva-símbolo da Áustria e também a mais cultivada no país. Segundo informações passadas durante o Winebar, é comum na Áustria este vinho acompanhar comidas mais gordurosas e pesadas, como carnes, por exemplo – o que para nós no Brasil é incomum. Deve ser servido gelado. Possui 12,5% de álcool.

Em taça apresentou coloração amarelo esverdeada, com lágrimas finas e transparentes. No nariz apresentou aromas complexos e variados com destaque para frutas brancas cítricas, maçã-verde e notas minerais – esta última, uma característica dos vinhos da região. Em boca tem boa acidez e presença de frutas cítricas em boa conta. Aveludado, fácil de beber. Final confirmando a fruta com boa lembrança do frutado.

É sem dúvida um bom vinho branco, muitíssimo correto, refrescante, com boa acidez como um vinho branco deve ser. Seu único defeito talvez seja o valor elevado e a dificuldade de encontrar no mercado: o preço da garrafa fica em torno de 95 reais e o vinho só pode ser adquirido por encomenda diretamente com a importadora The Special Wineries. No Winebar, todos gostaram mais deste que do tinto – apesar de lá em casa ser o contrário – é o tal negócio, gosto pessoal não se discute rsrs. No decorrer da semana devo postar sobre o outro vinho. Saúde!

Nota: 3,0 (Bom)