Mais um Ótimo Tinto do Alentejo: Conde de Vimioso Colheita Selecionada 2012 #cbe

Amigos, passado o feriado carnavalesco, inciamos o mês com o vinho especialmente escolhido para atender ao tema da Confraria Brasileira de Enoblogs – nossa querida CBE; possivelmente a primeira e única confraria virtual de vinhos do Brasil. E eis que o tema deste mês foi proposto pelo confrade Ewertom Cordeiro, que escreve o Blog Vinhos de Minha Vida. A sugestão, nas palavras do nosso enoamigo foi: “Como admirador dos vinhos portugueses e preferir os tintos sugiro um tinto alentejano com 3 ou mais castas”.

Particularmente considerei o tema ótimo :). Isso especialmente porque me agrada muito o estilo dos tintos Alentejanos – foi talvez o primeiro estilo de vinho que comecei a explorar depois dos sul-americanos e talvez por esta razão os vinhos desta região lusitana me cativam muito – sem contar também pela qualidade em si e pelo bom custo-benefício. Continuar Lendo

Para Aguçar os Sentidos: Viejo Carreton Syrah 2014

viejo_carreton_syrah_2014

Amigos, creio eu que da mesma forma que o Uruguai não elabora apenas excelentes Tannats – mas também excelentes tintos de outras cepas – sempre cabe bem reforçar que a Argentina já demonstrou potencial interessantíssimo em elaborar vinhos de outras castas tintas além da Malbec. Hoje, por exemplo, trago uma bela experiência que tive com um exemplar de uma das castas que mais me cativam:a Syrah. O exemplar foi escolhido a dedo na seleção do Clube de Vinhos Winelads do mês de junho.

Este rótulo é elaborado pela Viñas de America del Sur, mesmo produtor que já apareceu aqui no blog com outros rótulos muito interessantes, como o Rocio Rosé. A linha a que pertence – Colección Diplomatica – é uma das mais antigas da bodega (e pelo visto, uma das mais tops).

Trata-se de um 100% Syrah, com uvas de Mendoza, de cultivo orgânico. Chama  atenção a maceração prolongada – de 30 a 40 dias o vinho permaneceu em contato com os sólidos. Depois o exemplar estagiou por 8 meses em barricas francesas de tostado médio, além de outros seis meses de amadurecimento em garrafa. Continuar Lendo

Casas del Toqui Gran Reserva Syrah 2012 #cbe

Casas_del_Toqui_Gran_Reserva_Syrah_2012

Pois bem estimados amigos, quando as pessoas normalmente me pedem indicações de vinhos tintos chilenos, devo lhes confessar: nem Cabernets e nem Carmenères me surgem à mente em uma primeira instância – confesso que sim, uma questão de gosto pessoal e paladar talvez. Nestes mais de cinco anos garimpando e escrevendo sobre vinhos neste blog, a casta que mais me conquistou com respeito a “tintos chilenos” é esta que hoje vos trago. E daí a razão pela qual escolhi este rótulo para o tema de outubro da nossa querida CBE, sugerido pelo confrade Evandro Vanti, que escreve o blog Vinhos que Provo: “um Syrah / Shiraz do novo mundo, sem limite de preço. Vale um 100% ou um corte, desde que a maior parcela seja dessa uva”.

Como adoro os exemplares chilenos desta casta, não tive dúvidas :). Elegi este rótulo da tradicional bodega Casas del Toqui, elaborado 100% com uvas Syrah cultivadas no Vale Cachapoal. O vinho pertence a uma linha intitulada “Terroir Selection”, onde a vinícola se propôs a explorar os melhores territórios para cultivar cada variedade, no intuito de se maximizar a qualidade dos vinhos. Continuar Lendo

Mais um Excelente Exemplar da Grécia: Cavino Syrah Achaia 2013

Cavino_Syrah_Achaia_2013

Amigos, é muito bacana chegar ao final do ano lembrando os bons vinhos que tive a oportunidade de experimentar ao longo de 2015. Não poderia deixar de mencionar este belo Syrah grego, um dos vinhos que recebi na seleção do Clube Winelands do mês de outubro. Para quem gosta muito de Syrah – uma das minhas castas favoritas – a escolha foi mais do que certeira, pois minha curiosidade em provar um exemplar desta casta e ainda mais de um país mais “exótico”, digamos, era imensa.

O vinho é elaborado pela vinícola Cavino com uvas provenientes do terroir de Achaia. Tive curiosidade em aprender um pouco mais sobre esta região e pedi maiores informações ao produtor, que, gentilmente, através da Winelands, me passou maiores dados. Segundo eles, Achaia é com certeza uma das mais importantes áreas de produção gregas, que conta com três regiões de Denominação de Origem Protegida (caso deste vinho); a maioria das regiões conta somente com até duas DOP, para termos uma idéia. Eles até me passaram um pequeno mapa da região, que compartilho com os amigos aqui. (vejam amigos a região, ao norte do Peloponeso). E notem que, vinho, além de ser um néctar dos deuses, é também cultura, sempre

Quanto a este belo vinho, trata-se de um 100% Syrah, com breve passagem de três meses por barricas de carvalho.  Seguindo à risca as recomendações da ficha da Winelands, desta vez, não decantamos – e a dica foi certeira.Vamos ao que achei dele:

Cor rubi escura, com bordas púrpura. Aromas com boa complexidade, envolventes, lembrando especiarias, notas de carvalho e de frutas negras. Em boca é um típico Syrah, com muita estrutura, encorpado e bom volume em boca. Taninos bastante presentes, rústicos, secando o paladar. Final potente, garantindo ao vinho vocação gastronômica. Apesar de não ser um vinho “leve” é agradável e muito prazeroso de beber – é o típico vinho que classifico aqui no blog como “aqueles que a garrafa acaba logo” – e deixa saudades.

Eu, como fã da uva Syrah, aprovei o vinho, com louvor. Um exemplar que deixará saudades. Acompanhou bem um ossobuco com polenta -prato que adoramos lá em casa e que foi sugestão no site da Winelands. Um espetáculo 🙂

Em tempo: recebi o vinho na seleção do Clube Winelands de outubro deste ano, juntamente com o branco Malagouzia, da mesma região de Achaia que já publiquei aqui no blog (relembre)

Saúde a todos!