Mais um Tinto Sul-Africano de Respeito: Café Cabernet Sauvignon 2012

Cafe_Cabernet_2012

Estimados amigos, logo que vi este rótulo na seleção do Clube Winelands fiquei bastante curioso, de imediato. Primeiro, por se tratar de um Cabernet Sauvignon da África do Sul – algo não tão comum de se encontrar. Segundo, pelo título ostentado no rótulo, em português claro, remetendo a um produto tão conhecido por nós brasileiros. Um vinho assim tem que ser provado, concordam? Logo, parti para o sacrifício 🙂

Segundo a ficha da Winelands, o vinho foi elaborado pela Linton Park Wines, com uvas provenientes de videiras com vinte anos de idade. Estagiou por seis meses em barricas de carvalho francês e americano novas. Particularmente, me agrada a filosofia de estágios mais curtos em madeira, como neste caso – ainda mais mesclando-se as barricas. Creio que confere ao vinho uma complexidade interessante. Seguindo a recomendação da ficha da Winelands, pus parte do vinho a decantar por uns trinta minutos, o que foi uma boa pedida. Mas vamos ao que achei dele:

Vinho de cor rubi violáceo, muito escuro e denso. Lágrimas transparentes marcando a taça. Aromas com boa intensidade e complexidade, evoluindo ao longo do tempo e ganhando espaço com a aeração. No início, muita fruta negra, ameixa e  amora. Aos poucos, aparecem certas notas de compota, um certo chocolate, e … café!! (imagine!) Em boca é um vinho com corpo mais para médio, eu diria. Frutado e especiarias confirmando a presença. Taninos apimentando o paladar marcando toda a língua, assim como a acidez que deixa sua marca. O  final é correto e persistente. Álcool a 13,5%, bem equilibrado com o conjunto.

Achei o vinho muito gastronômico ao meu ver, daqueles que pede comida. Escoltou bem uma carne de panela com molho e arroz com legumes, embora eu acho que pode acompanhar pratos mais robustos. Uma bela experiência, diferente de qualquer outro Cabernet Sauvignon que já provei. Creio que isto, meus amigos, é o mais fantástico no mundo do vinho: provar e perceber como vinhos de uma mesma uva podem proporcionar sensações tão diversas em relação a diferença de elaboração, terroir, solo etc. Muito bom, recomendo.

Em tempo: recebi o vinho na seleção de julho/2015 do Clube Winelands, juntamente com outro tinto, um excelente Syrah, que gostei muito.

Saúde a todos!

Leia Também:

Uma Jóia da África do Sul: Goedverwacht An Acre of Stone Syrah 2012

Namaqua Pinotage 2010

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s