Espumante Argelato Brut

Espumante_Argelato_Brut

Estimados amigos, eu não nego que sou um entusiasta dos vinhos italianos, de norte a sul, de todas as safras e todas as cepas. O estilo dos tintos daquele país me impressiona muito e nos cativou ao longo destes anos que tenho contato com o mundo do vinho. Mas devo confessar que nossa curiosidade fica ainda mais aguçada em se tratando dos espumantes de lá:)

Esta garrafa foi um presente de nosso amigo Francesco, que por sinal é residente na região da Emilia Romagna onde sua família elabora vinhos. O espumante em questão é elaborado pela Cantina di Argelato na região de Bologna, com uvas Chardonnay e Pignoletto, creio que pelo método Charmat. Esta última variedade – Pignoletto – é uma novidade aqui no blog; trata-se de um vinho bastante tradicional da região de Bologna e muito utilizado na elaboração de frisantes e espumantes – uma alternativa ao Prosecco pode-se dizer. Confesso que fiquei curioso e procurarei me informar mais sobre ela. Mas vamos ao que achei do espumante:

Em taça apresentou cor palha claro, levemente dourado. Perlage fino e delicado, com belo visual. Aromas de frutos brancos com notas minerais leves. Lembra tenuemente um cava nos aromas – com certa complexidade difícil de descrever, confesso. Em boca tem ótima estrutura e forma um conjunto com boa cremosidade. Seco do início ao fim, bom de beber. Acidez em boa conta, deixando o produto também refrescante para o verão.

Aprovado. Acompanhou bem uma bruschetta, excelente pedida. Aqui agradecemos por nosso amigo pelo ótimo presente 🙂 Além deste exemplar, ganhamos também de nosso amigo um Cabernet Sauvignon bem interessante (relembre).

Quanto custa? Encontrei em algumas lojas ele à venda por 4 euros – um bom custo-benefício para os padrões europeus.

Saúde a todos!

Bom Vinho, adquirido no Zaffari: Zonin Valpolicella Ripasso Superiore 2013 DOC

Zonin_Valpolicella_Ripasso_Superiore_2013

Amigos, eu estava namorando este exemplar nas prateleiras do supermercado Zaffari há semanas. Numa noite de verão que o calor deu uma leve trégua e eu estava a fim de matar a saudade de experimentar um tinto mais robusto, resolvi encarar e levei uma garrafa deste vinho para casa.

O produtor é a tradicional Zonin, talvez a empresa com um dos maiores volumes de vinhos produzidos na Itália. Já degustamos alguns produtos deles aqui no blog – confira aqui. Podem não ser espetaculares, mas lhes digo que, pela faixa de preços, são muito honestos e confiáveis. Este exemplar é um Valpolicella, elaborado na região do vêneto com o assemblage de uvas formado por 70% de Corvina, 20% de Rondinella, e 10% de Molinara. Recebe o codinome de Ripasso, pois passou 20 dias em estágio com a pele das uvas utilizadas na produção do vinho Amarone de Valpolicella. Continuar Lendo

Intrigo Cabernet Sauvignon Rubicone 2012 IGP

Intrigo_Cabernet_Sauvignon_Rubicone_2012

Amigos, daquela inesquecível viagem à Itália que fizemos ao final de 2014 ainda restam vinhos que experimentei e que não posso deixar de compartilhar aqui no blog.  Um deles é este interessante Cabernet Sauvignon que gentilmente ganhamos de nosso amigo italiano Francesco – que, além deste rótulo, também nos presenteou com outro tinto e um belo espumante, elaborados por sua família em Faenza, na região da Emilia-Romagna. O produtor leva inclusive o nome da comuna: Cantina Faenza.

Este belo Cabernet Sauvignon foi elaborado com uvas cultivadas ao sul da propriedade em Faenza e leva a Indicação Geográfica Protegida (IGP) ostentada no rótulo – tem certa equivalência com o IGT que estamos mais acostumados. Passou por período de descansando de 12 meses antes de ser engarrafado, os quais 3 meses foram em barricas. O vinho pertence a  uma linha que poderíamos chamar “de entrada” da vinícola, chamada “La Botte” – do italiano, “o barril” – que agrega os vinhos com  classificação IGT. Mas vamos ao líquido:

Em taça o vinho mostrou cor vermelho rubi com leve transparência. No nariz os aromas aparecem bem frutados, com notas de ameixa, amora e frutas negras em geral – sem aquela nítida lembrança do pimentão verde, que alguns gostam – eu particularmente não aprecio, mas é questão de gosto pessoal. Em boca é um vinho de corpo médio, macio de beber e com taninos finos e leves. Essencialmente seco, o que considero característica positiva – parece óbvio, mas não é incomum encontrarmos vinhos que às vezes as características frutadas conferem certo dulçor no paladar, deixando-o enjoativo.

Aprovado, gostei da experiência de provar um Cabernet da Itália e fiquei feliz com o presente de nosso amigo. Um tinto italiano é sempre muito bem-vindo 🙂

Saúde a todos!

Che spettacolo! Espumante Principe Corsini Brut Rosé

Espumante_Principe_Corsini_Rose_Brut

É com muita alegria amigos, que escrevo este singelo artigo na véspera do Natal, me recordando das lembranças do dia em que pude visitar e conhecer a vinícola Principe Corsini na Toscana. Sei que a região tem inúmera vinícolas e produtores de altíssimo quilate, mas garanto-lhes que, se algum dia eu vier a regressar àquela paradisíaca região, hei de retornar novamente nesta vinícola para apreciar seus belos vinhos, pois a experiência que tive me fez deveras bem e estará para sempre muito bem guardada em minha memória 🙂

Saudosismos à parte, lembro-me bem que quanto visitei a vinícola (relembre aqui), sentamo-nos à mesa ao final do tour para degustar os vinhos. Nisso, nosso guia, sr. Gianluca Carbone, nos questionou mais ou menos assim: “vocês não querem provar o espumante, querem?”, como quem desconfiava que estivéssemos interessados apenas nos tintos. Mas eis que respondi: “com certeza sim, queremos”. E lhes digo, a  decisão não poderia ser mais acertada. Continuar Lendo