[WSET] Degustando um Belíssimo Exemplar da Toscana: Lucarello Chianti Classico Riserva 2011 DOCG

Pois bem amigos, estou bastante feliz em poder hoje compartilhar com todos este post. Há tempos eu queria poder participar de um curso na área de vinhos que tivesse uma boa proposta, conteúdo denso e um caráter realmente didático e aprofundado no Universo do Vinho. E eis que este mês estou cursando o Nível 2 (também chamado de Intermediário) de Formação em Vinhos e Espirituosos da WSET – uma das entidades de educação mais respeitadas no ramo do vinho mundialmente.

O curso possui um excelente material didático e um conteúdo programático bastante abrangente, focado nas principais castas e regiões produtoras do mundo. As aulas são focadas especialmente em degustações que têm caráter 100% didático, a fim de que os alunos possam comparar os diversos estilos de vinhos, variedades viníferas, terroir, etc. Há de se dizer amigos, o curso, em minha opinião, é cem por cento. Melhor impossível. Continuar Lendo

Principe Corsini Cortevecchia Chianti Classico Riserva 2010 DOCG

Principe_Corsini_Cortevecchia_Chianti_Classico_Riserva_2010_DOCG

Estimados amigos, hoje é dia de post especial !

Definitivamente, não me considero daquelas pessoas que leva o dia dos namorados para aquele lado comercial exagerado da coisa. E tendo em vista que nesta data os restaurantes estão sempre superlotados, acaba que eu e minha esposa sempre preferimos passar esta data especial na calma e aconchego do lar, preparando um jantar romântico em casa – que até o momento, é o melhor restaurante que já jantei, sem exageros 🙂

Haja visto que se trata sim de uma data especial e cheia de romantismo, decidimos abrir um vinho especial. O escolhido foi este belíssimo Chianti, que já tive a oportunidade de experimentar algumas vezes, inclusive em nossa visita que fizemos à vinícola Principe Corsini, na Toscana (relembre!).

O vinho é um tradicionalíssimo Chianti Clássico Riserva, com 20 meses de passagem por barricas de carvalho francês e outros seis meses de descanso em garrafa. Elaborado com 95% de Sangiovese e outros 5% de Canaiolo e Colorino. Vamos às nossas impressões deste belíssimo exemplar:

Cor rubi escuro, tendendo a um tom púrpura, de leve transparência. Aromas com boa intensidade, essencialmente frutados, com muita fruta preta, ameixa e amora em destaque, com lembrança de compotas e especiarias. Há um leve toque balsâmico, típico, também presente. Em boca é muito bem estruturado, com excelente acidez e corpo médio. Taninos bem integrados, formando um conjunto ótimo com a acidez e marcando bem o paladar. Frutado presente, dando no final aquela lembrança de compota. A madeira está presente em toda a degustação,  mas não se sobrepõe em nenhum momento, estando muito bem agregada, e valorizando o vinho. Potente, com álcool a 14%, na medida.

Vinho incrivelmente prazeroso de ser apreciado, gastronômico,  e que chama a próxima taça com naturalidade. Acompanhou muito bem um típico cardápio italiano: spaghetti com molho de tomate e ossobuco. Uma grata experiência,  condizente com o charme que a data especial requer. Entre os mais de 250 vinhos que já experimentei e publiquei aqui no blog este, certamente, entra para o seletíssimo grupo daqueles que não serão esquecidos.

Quanto custa? No Brasil, a Domno vende o rótulo em sua loja virtual por 231 reais. Não me recordo ao certo quanto paguei na vinícola, mas creio ter sido algo na faixa de 30 Euros.

Saúde a todos!

Leia Também:

E na belíssima Toscana, Conhecemos a Vinícola Principe Corsini

Chianti San Enrico DOCG 2009

Estimados amigos, queiram me desculpar pela minha ausência nos últimos dias, estive um pouco off em função de alguns dias de férias – que, diga-se de passagem, vão render algumas ótimas novidades por aqui em breve!

Mas, voltando ao nosso fabuloso Universo dos Vinhos, trago hoje este belo exemplar italiano, um Chianti, vinho típico da Itália elaborado na região da Toscana. Tenho uma enorme curiosidade acerca de tais vinhos: são frutados, tem acidez marcante e normalmente encantam os enófilos. Caso os amigos queiram buscar referências de bons Chiantis, indico fortemente o blog Diário de Baco do colega Alexandre Frias, que é um verdadeiro doutor no assunto.

Quanto ao nosso Chianti, é um assemblage de 85% Sangiovese e 15% Canaiolo e Colorino. Tem amadurecimento em barricas de carvalho por seis meses. É elaborado pela Tenuta La Gigliola. Mas vamos ao líquido:

Vinho de coloração vermelho rubi, com boa transparência e reflexos quase grená, com lágrimas finas e transparentes por toda a taça. Aromas de boa intensidade, agradáveis, com predominância de frutas vermelhas como ameixa e cereja, algumas poucas notas vegetais e um intrigante aroma que me pareceu couro. Em boca é um vinho leve, com acidez baixa – poderia ser um pouco maior. Taninos finos marcando especialmente no final, deixando um toque de especiarias. Frutado aparecendo bem, embora não tão presente como o esperado. Final curto, com notas minerais bem presentes e uma leve ponta de amargor, mas que não chegou a incomodar. Álcool a 14% muito bem integrado ao vinho, quase não chegou a aparecer. Madeira discreta.

Adquirimos este belo vinho em uma promoção da loja Vinhos do Mundo com 50% de desconto. Pelo preço normal – 60 reais – fica no limite da boa relação custo-benefício; acredito que tenha faltado um pouco de acidez, além de esperar ser um vinho mais interessante nesta faixa de preço. Há Chiantis melhores nesta faixa de valores. Mesmo assim indico a quem quiser experimentar, especialmente para aqueles que preferem vinhos com acidez mais baixa.

Saúde!